«

»

jan 25 2012

Imprimir Post

Como foi o Grande Terremoto de Kanto em 1923? Lições aprendidas e reconstrução de Tokyo.

Grande Terremoto de Kanto – 01 de Setembro de 1923 – 11:58h – Como foi o terremoto. Quais os danos causados pelos abalos, incêndios, deslizamentos de terra e tsunami. Lições da reconstrução de Tokyo.

Quando aconteceu o Grande Terremoto de Kanto?

Porque ele está localizado na borda da Placa Eurasia perto da fronteira com a Placa do Pacífico, o Japão tem sido atingido por muitos terremotos. Na manhã de 01 de setembro de 1923, um terremoto devastador localizado na planície de Kanto no Japão causou destruição em massa e morte em Tóquio e Yokohama.

Este desastre natural, também conhecido como o Grande Terremoto de Kanto de 1923, teve uma magnitude de 7,9. O epicentro deste terremoto foi localizado a sul de Tóquio. Alguns depoimentos da época registraram que a duração foi entre 4 a 10 minutos. Tremores secundários ocorreram com vários epicentros localizaram entre a costa da Baía de Sagami e Boso, sul da Península. Houve 57 fortes tremores secundários contados.

O poder e a intensidade foi surpreendente: conseguiu mover a estátua do Grande Buda  de 93 toneladas em Kamakura, deslizando-o quase dois metros, mesmo estando localizado a mais de 60 km de distância do epicentro. Houve 142.800 mortes decorrentes do terremoto de Tóquio 1923, incluindo incêndio, desabamentos, deslizamentos de terra e o tsunami.

Este terremoto que devastou Tokyo, a cidade portuária de Yokohama , em torno prefeituras de Chiba , Kanagawa e Shizuoka , e causou danos generalizados em toda a região de Kanto.

O terremoto de 1923 foi também um dos primeiros desastres naturais a ser documentada por meio de fotografias em um mundo cada vez mais globalizado. A devastação e do desespero, depois do terremoto, foram praticamente os mesmos que hoje, somente em preto e branco em vez de alta definição de cores.

Danos Causados ​​pela Grande 1923

Oshima é uma ilha composta de lavas e rochas vulcânicas de modo que não ocorreram mudanças ao nível do solo ou agitação extrema. Por outro lado, Tóquio e Yokohama são construídos sobre o solo mais macio recortados por rios e com essa instabilidade, os abalos e danos foram maiores.

Houve 142.800 mortes decorrentes do terremoto de Kanto 1923, incluindo o Grande incêndio, desabamento de casas, deslizamentos de terra e o tsunami. Cerca de 381 mil dos mais de 694 mil casas  foram parcialmente ou totalmente destruídas pelo terremoto e posterior incêndio. Mais de 1,9 milhões de pessoas ficaram desabrigadas no Japão. Em Tokyo, 60% da população da cidade ficou sem teto. Os prejuízos estimados causados ​​pelo Grande Terremoto de Kanto 1923 convertidos em valores de hoje teria sido, pelo menos, um bilhão de dólares EUA.

Incêndio após o terremoto

O terremoto ocorreu às 11:58 hora local em Tokyo quando muitas pessoas estavam preparando o almoço em fogões de carvão ou lenha. Durante o terremoto, muitos destes fogões tombaram e causaram incêndios que não puderam ser controladas. É por isso que este evento é também conhecido como o Grande Incêndio de Kanto de 1923.

Havia ventos fortes devido a um tufão vindo do norte do Japão e isso fez com que o fogo se espalhasse rapidamente e se transformasse em redemoinhos/torpedos (tatsumaki) de fogo em muitas cidades, isto ocorre quando labaredas intensas criam o seu sistema próprio vento. Prédios vizinhos pegaram fogo, o lançamento de uma tempestade que varreu a multidão como um furacão de fogo a 150 quilômetros por hora. Como resultado, muitas pessoas morreram também quando seus pés ficaram presos no derretimento asfalto, no entanto, a maior perda da vida ocorreu quando cerca de 38.000 pessoas lotavam um espaço aberto no Honjo Rikugun Hifukusho no centro de Tokyo foram incinerados pela uma tempestade induzida pelo turbilhão de fogo. A área era um terreno aberto e as pessoas aqui se refugiaram do fogo na esperança de evitar os incêndios que se espalhavam pela cidade. Infelizmente, porque a área era completamente aberta, sem árvores ou intervalos naturais de qualquer tipo, o fogo varreu independentemente, matando aqueles em seu rastro.

Atualmente neste mesmo local está o Memorial Museum, em memória às pessoas que morreram no rescaldo do terremto, localizado no Parque hoje conhecido como Yokoamicho. O parque abriga um memorial hall, estilo budista, um memorial sino doados pelos budistas de Taiwan, um memorial às vítimas da Segunda Guerra Mundial  e um memorial às vítimas dos assassinatos coreano vigilante.

O  terremoto também quebrou tubulações de água, limitando a fonte de água para apagar os incêndios. Cidades foram reduzidas a escombros e cinzas como o porto de Yokohama, sofrendo os piores danos em 90% de todas as casas, que foram destruídas ou danificadas. Muitas pessoas embarcaram em navios no porto de Yokohama para procurar refúgio, mas eles não estavam cientes de que petróleo estava vazando e quando o fogo se espalhou para o porto, o óleo pegou fogo e muitos navios não chegaam ao mar aberto. O incêndio durou 3 dias.

Deslizamentos de terras

Muitas casas construídas em morros e montanhas foram arrastadas por deslizamentos de terra. A montanha desabou em uma vila e empurrou mar abaixo um trem estacionados com mais de 100 passageiros na estação ferroviária, na aldeia de Nebukawa, a oeste de Odawara, mais a estrutura da estação e as toda a aldeia em si. Havia aproximadamente 900 pessoas mortas como resultado destes deslizamentos de terra. Casos de casas serem enterrados ou levados pelos deslizamentos de terra foram particularmente frequentes nas áreas montanhosas e nas áreas costeiras no oeste da Província de Kanagawa.

Tsunami pós terremoto

Um tsunami atingiu a costa dentro de minutos em algumas áreas, atingindo a costa de Sagami Bay , Península de Boso , Ilhas Izu ea costa leste da península de Izu . Ondas do tsunami de 10 a 12  metros de altura foram registrados. Em Atami no Golgo do Sagami, o tsunami  destruiu 155 casas e matou 60 pessoas. Exemplos de vítimas do tsunami incluem cerca de 100 pessoas mortas ao longo da praia Yui-ga-hama em Kamakura e um número estimado de 50 pessoas em Enoshima.

Foi tudo destruído no terremoto?

Quase. Mas não completamente. Um dos poucos edifícios que permanecem de pé, depois que a poeira baixou foi o Imperial Hotel Tokyo desenhado por Frank Lloyd Wright para suportar os abalos de um terremoto. Na verdade, a Embaixada dos EUA foi temporariamente transferido para o Hotel, devido à destruição do edifício da Embaixada durante o terremoto.

Por que O Hotel Imperial sobreviveu? Foi um dos primeiros edifícios a ser construído para permitir que diferentes secções das paredes movessem de forma independente um do outro – e funcionou. O hotel teve a sorte de também ter espaço suficiente para aqueles que ali permaneceram refugiados, enquanto incêndios espalhados mataram muitas pessoas que tentavam fugir da devastação. A estrutura de Wright suportou as tensões do terremoto e o hotel permaneceu em uso até 1968.

O que causou o terremoto de Kanto?

Por volta da hora do terremoto, um forte tufão atingiu a área da Baía de Tokyo. Alguns cientistas, inclusive CF Brooks dos Estados Unidos Weather Bureau abordam a hipótese de que as forças opostas exercidas por uma súbita diminuição da pressão atmosférica associada a um aumento súbito da pressão do mar causado pela tempestade nas estressadas falhas do terremoto pode ter sido suficiente para acionar o terremoto inicial.

Reconstrução de Tokyo pós terremoto

Goto Shinpei percebeu que o Japão precisava não só de uma maneira de lidar com a crise a curto prazo, mas de um plano a longo prazo para fazer a reconstrução de Tokyo e outras cidades mais capazes de resistir a tremores futuros. Após o terremoto, Gotō Shimpei organizou um plano de reconstrução de Tokyo com redes modernas de estradas mais largas, trens , serviços públicos.

Parques foram construídos em toda cidade de Tokyo como pontos de refúgio. Hoje, é creditado a Goto Shinpei o projeto moderno da metrópole e preparação do Japão para muitos terremotos futuros.

Edifícios públicos foram construídos com padrões mais rigorosos do que edifícios privados para acomodar os refugiados, esta é uma das razões para que as escolas públicas sejam direcionadas para abrigos e refúgios. No entanto, a eclosão da Segunda Guerra Mundial e subsequente destruição  limitaram os recursos da reconstrução.

Logo no inicio do período Showa (1926-1989) foi aberto a primeira linha de metrô entre Asakusa e Ueno em 1927. A reconstrução de Tokyo levou 7 anos. Em 1930 já reerguida e reconstruída não tinha vestígios da destruição causada pelo terremoto e o grande incêndio. Em 1931, foi concluída as obras do Aeroporto de Haneda e em 1941, o Porto de Tokyo foi aberta. Em 1935 a população residente de Tokyo havia crescido para 6,36 milhões, comparável às populações de Nova York e Londres.

O terremoto foi uma catástrofe mas também a oportunidade da reconstrução maciça, fez nascer “New Tokyo”, slogan de reconstrução da época. Estruturas de aço e pedra foram uma manifestação deste período. Depois do terremoto, Tokyo começou a emergir como uma das grandes cidades do mundo.

Quem foi Goto Shinpei ?sétimo prefeito de Tokyo, o primeiro Chefe Escoteiro do Japão, o primeiro diretor da NHK (Japão Broadcasting Company), o principal terço da Universidade Takushoku, e o ministro do Interior e ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão .  Antes disso, ele tinha um par de nomeações estrangeiras, incluindo o diretor da estrada de ferro da Manchúria do Sul e diretor de assuntos civis em japonês em Taiwan. Além de tudo isso, ele era médico e chefe de uma escola de medicina.

O que foi aprendido desde o Grande Terremoto de Kanto 1923

Mais de metade dos edifícios de tijolos e um décimo das estruturas de concreto armado desabaram no terremoto.O tijolo passa a ser abolido nas grandes construções. Como resultado deste terremoto, normas de construção japonesa para edifícios públicos foram alteradas com base em estudos de estruturas que permaneceram em pé.

Tokyo foi reconstruída com os melhores serviços de transporte e parques foram criados mais como áreas de refúgio. Daqueles que sobreviveram ao grande terremoto de Kanto 1923, a maioria fugiu para parques e jardins que foram cercados por árvores e folhagens para desviar do fogo. Esta lição foi levado a sério e, hoje, há muitos parques e jardins localizados com este objetivo em torno de Tokyo e nas principais cidades japonesas..

Em 1960, o governo do Japão declarou 01 de setembro, o aniversário do terremoto, como “Dia de Prevenção de Desastres” e para lembrar às pessoas da importância da preparação, lembrando que setembro e outubro estão no meio da temporada de tufões. Escolas, organizações públicas e organizações privadas em todo o Japão, promovem todos os anos, o treinamento das medidas preventivas contra o terremoto. Nesta ocasião é celebrado um momento de silêncio, em memória às vidas perdidas.

Como um resultado direto da lições do Grande Terremoto de Kanto, 1923 e terremoto de Kobe em 1995, o Japão é um dos países mais bem colocados, arquitetonicamente falando, para suportar um terremoto de magnitude grave como a que ocorreu recentemente  em 11 de Março nas regiões de Miyagi, Iwate e Fukushima.

Flavia Maia, escreveu um texto no Correio Braziliense, com o título Japoneses aprenderam com os efeitos do terremoto de 1923. <Resumo>

A partir da tragédia que matou mais de 140 mil pessoas, o Japão aprendeu a lidar com os constantes tremores de terra e modernizou as técnicas de engenharia de construções e o comportamento das gerações seguintes. Se não fosse por isso, o terremoto e o tsunami que atingiram a costa nordeste em 11 de Março, seriam ainda mais devastadores.

Após o abalo de 1º de setembro de 1923, que destruiu Yokohama e metade de Tokyo, a região — que vivia um processo de remodelação urbana com tendência à construção de edifícios no estilo ocidental em alvenaria — teve de ser reconstruída. E não só os prédios foram refeitos, mas a mentalidade do povo. O Japão não se curvou à calamidade. E profissionais de vários ramos, como urbanistas, advogados e engenheiros, encabeçaram um movimento para a transformação de Tokyo em cidade do futuro. “Os japoneses transformaram a tragédia em oportunidade”.

Assim, os japoneses entenderam que a modernização do país deveria ser feita de acordo com as condições ambientais do país, não apenas copiando o modelo ocidental. Era preciso, então, criar uma tecnologia de construção capaz de amenizar os estragos dos abalos sísmicos e vender o know-how para povos em situações semelhantes. A tecnologia é hoje vendida, por exemplo, para as cidades costeiras da Califórnia, nos Estados Unidos.

Os avanços e a normatização das construções no Japão começaram em 1926. Três anos depois do terremoto, foi criado o primeiro código de edificações voltado para construções mais seguras. O último é o de 1981: prescreve o uso do concreto reforçado e de colunas de aço. Edifícios com mais de 60 metros de altura precisam de autorização do Ministério das Construções, que verifica as condições de segurança.

Geralmente, as construções mais afetadas em terremotos são as que seguem o estilo tradicional japonês, com os alicerces de pedra ou em concreto, paredes de madeira ou de barro e telhado também de barro ou com telhas pesadas. Esse tipo de teto é eficaz para enfrentar furacões, mas em terremotos fazem as casas desabarem.

O reconhecimento da necessidade de preservar os patrimônios humano e material do país fez do setor de pesquisas tecnológicas — tanto público como privado — sólido e prestigiado. A engenharia de construção e a previsão meteorológica são exemplos de áreas de pesquisa incentivadas e em constante desenvolvimento. Embora não seja possível prever a chegada de um tsunami ou de um terremoto, o Japão foi se equipando para sofrer o menos possível as consequências de calamidades ambientais às quais está suscetível.

Após o abalo de 1º de setembro de 1923, os japoneses intensificaram o aprendizado de como observar os sinais e precaver-se de maiores danos. Há por toda parte as instruções de como agir em caso de terremotos e de incêndios. Extintores são presença obrigatória nas casas e nos automóveis. Escolas orientam os estudantes, empresas orientam funcionários sobre como proceder diante de qualquer tremor, e famílias mantêm em casa kits de sobrevivência com água mineral, alimentos, material de primeiros socorros, lanterna, rádio portátil e baterias extras.

Então, o que o Grande Terremoto de Kanto tem a ver com você?

Como um visitante ou residente estrangeiro no Japão, é importante estar ciente dos procedimentos das medidas contra terremoto. Houve uma grande evolução desde o Grande terremoto de Kanto em 1923, o governo japonês e sismólogos mantem pesquisas e estudos avançados para garantir a segurança caso o pior aconteça. No entanto, terremotos pela sua própria natureza nos testam com sua imprevisibilidade. Mesmo para os especialistas nem sempre será possível prever todas as eventualidades que podem ocorrer, por isso você ainda precisa cuidar de si mesmo, informa-se, atualizar-se, prevenir-se.

Fonte: Wikipedia, Maureen K Fleury, Correio Brasiliense

 


Link permanente para este artigo: http://blog.suri-emu.co.jp/?p=218

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

Translate »